• Ricardo Henrique Decarli

Diagnóstico errado de DST gera direito à indenização


Mãe com sífilis

O Estado de São Paulo foi condenado a indenizar, por danos morais, paciente diagnosticada equivocadamente com sífilis. O valor da reparação foi fixado em R$ 15 mil.


De acordo com o processo, durante consultas em hospital público, quando já estava grávida, a autora da ação foi diagnosticada com sífilis. Imediatamente, tomou todas as precauções para que o bebê não fosse afetado. Passou a receber injeções que poderiam causar sequelas em seu filho e frequentou o hospital quase que diariamente.


Também pelo diagnóstico, a paciente terminou o relacionamento com o noivo, pai de seu filho, por acreditar que ele havia lhe passado a doença após traição. No entanto, a pedido de sua obstetra, a mulher realizou novo exame que não constatou a doença. Posteriormente, foi verificado que exame anterior pertencia a uma pessoa de mesmo nome.


Para o juiz do caso, o fato ocasionou à paciente inúmeros transtornos, tais como tratamento médico com três injeções de Benzetacil, visitas ao médico e hospitais, “que, só por si, são capazes de causar dor e sofrimento à mulher e sua família, não podendo ser reconhecida como mero dissabor”.


Fonte: Migalhas